Homenagem a Antônio Augusto Brum Ferreira

Postado por Mauro dos Reis | sábado, maio 31, 2008 | , , | 2 comentários »



"Neste fogo onde me aquento remou as coisas que penso
Repasso o que tenho feito para ver o que mereço
Quando chegar meu inverno que me vem branqueando o cerro
Vai me encontrar venta aberta de coração estreleiro
Mui carregado de sonhos que habitam o meu peito
E que irão morar comigo no meu novo paradeiro"
(Veterano, composição: Antônio Augusto Ferreira e Ewerton Ferreira)

Certamente este novo paradeiro são as canções, prosas e poesias que Antônio Augusto Brum Ferreira construiu ao longo de sua vida. Sim, o autor de Veterano agora mora em seus livros, canções, poesias e revive cada vez que é lido, declamado ou escutado. Sua voz ecoa na cultura gaúcha, suas palavras juntam-se as de outros gaúchos na formação dos pilares da nossa tradição.


"Antonio Augusto nasceu em São Sepé, em 1935. Mudou-se na infância para a cidade de Passo Fundo, onde viveu até 1953, quando passou a residir em Porto Alegre. Através de concursos públicos, foi escrivão em Sananduva, Pelotas e Passo Fundo, antes de ser transferido para o Oficio do Registro de Imóveis de Santa Maria (...)."[1]
"O gosto inato pela cultura sul-rio-grandense levou-o a participar, aos 16 anos de idade, da fundação do CTG Lalau Miranda, em Passo Fundo, e a freqüentar o 35 CTG, em Porto Alegre, na década de 50, época em que passou a publicar poemas de sua autoria sob o pseudônimo de "Tocaio Ferreira". Assim que chegou a Santa Maria, Antônio Augusto passou a fazer parte da Associação Tradicionalista Estância do Minuano (...)."[1]

"Premiado em diversos festivais de música, Ferreira escreveu cinco livros e uma obra que chamam atenção pela musicalidade e pela inspiração no universo campeiro."[2]

Linha de tempo das principais conquistas de Antônio Ferreira
1935 - Nasce Antônio Augusto Brum Ferreira, em São Sepé
1980 - Vence a 10ª Califórnia da Canção Nativa com a composição Veterano.
1985 - Antônio Ferreira lançou seu primeiro livro, Sol de Maio (poesia).
1997 - Segunda obra, Alma de Poço (poesias).
2001 - Ganhou o troféu Negrinho do Pastoreio da Poesia Campeira.
2003 - Publicação de Tio Bonifa e Seu Cachorro Piraju.
-
Patrono da Feira do Livro de Santa Maria.
2004 - Eleito para integrar a Academia Rio-Grandense de Letras, (cadeira 28).

10ª CALIFÓRNIA 1980 - 1º LUGAR: VETERANO


Veterano

Composição: Antônio Augusto Ferreira e Ewerton Ferreira

Está findando o meu tempo a tarde encerra mais cedo
Meu mundo ficou pequeno e eu sou menor do que penso
O bagual tá mais ligeiro, o braço fraqueja às vezes
Demoro mais do quero mas alço a perna sem medo
Encilho o cavalo manso mas boto o laço nos tentos
Se a força falta no braço na coragem me sustento

(Se lembro os tempos de quebra a vida volta pra trás
Sou bagual que não se entrega assim no más) 2x

Nas manhãs se primavera quando vou parar rodeio
Sou menino de alma leve voando sobre os pelegos
Cavalo do meu potreiro mete a cabeça no freio
Encilho no parapeito mas não ato nem maneio
Se desencilho o pelego cai no banco onde me sento
Água quente e erva buena para matear em silêncio

(Se lembro os tempos de quebra a vida volta pra trás
Sou bagual que não se entrega assim no más)2x

Neste fogo onde me aquento remou as coisas que penso
Repasso o que tenho feito para ver o que mereço
Quando chegar meu inverno que me vem branqueando o cerro
Vai me encontrar venta aberta de coração estreleiro
Mui carregado de sonhos que habitam o meu peito
E que irão morar comigo no meu novo paradeiro

(Se lembro os tempos de quebra a vida volta pra trás
Sou bagual que não se entrega assim no más)2x

Bibliografia
1. http://www.colegioregistralrs.org.br/noticia.asp?cod=188
2. Zero Hora,
17/03/2003.


2 comentários

  1. Ana // 5 de junho de 2008 18:12  

    Obrigada por comentar no meu blog!
    Gostei muito do "Gaudérios"! Adoro ler sobre as coisas do nosso Rio Grande!

  2. Fernando // 11 de dezembro de 2008 14:50  

    esse cara ai era meu tio ;-)